Juro básico recua para 8,25% ao ano na 8ª queda seguida, menor nível em 4 anos

Em comunicado, autoridade monetária indica que juros continuarão caindo e que poderão chegar a 7,25% ao final deste ano, como já prevê o mercado financeiro.


Por Alexandro Martello, G1, Brasília

 

Evolução da taxa básica de juros (Foto: Editoria de Arte / G1)Evolução da taxa básica de juros (Foto: Editoria de Arte / G1)

Evolução da taxa básica de juros (Foto: Editoria de Arte / G1)

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu nesta quarta-feira (6) baixar os juros básicos da economia brasileira de 9,25% para 8,25% ao ano. Foi o oitavo corte seguido na taxa Selic.

Com a decisão, que confirmou a expectativa dos economistas do mercado financeiro, o BC manteve o ritmo de redução de um ponto percentual verificado na última reunião, realizada no fim de julho.

Em 8,25% ao ano, os juros recuam ao menor nível desde julho de 2013, ou seja, em pouco mais de quatro anos.

A previsão dos economistas das instituições financeiras é de que a taxa básica de juros continue a recuar nos próximos meses e chegue a 7,25% ao ano no final de 2017 – o menor patamar da história.

Como as decisões são tomadas

A definição da taxa de juros pelo BC tem como foco o cumprimento da meta de inflação, fixada todos os anos pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).

Para 2017 e para 2018, a meta central de inflação é de 4,5%, com intervalo de tolerância de dois pontos percentuais, de modo que o IPCA pode variar sem que o objetivo seja formalmente descumprido.

Normalmente, quando a inflação está alta, o BC eleva a Selic na expectativa de o encarecimento do crédito frear o consumo e, com isso, a inflação cair. Essa medida, porém, afeta a economia e gera desemprego.

Quando as estimativas para a inflação estão em linha com as metas predeterminadas pelo CMN, o BC reduz os juros. É o que está acontecendo agora.

Em razão do fraco nível de atividade, com a economia brasileira começando a sair da recessão dos últimos anos, a inflação tem registrados níveis mais baixos em 2017.

De janeiro a agosto, segundo o IBGE, a inflação oficial, medida pelo IPCA, ficou em 1,62%, bem abaixo dos 5,42% registrados em igual período do ano passado. Este foi o menor acumulado no ano para um mês de agosto desde a implantação do Plano Real (1994).

Para 2017, o mercado financeiro prevê que a inflação deve ficar em 3,38%, abaixo da meta de 4,5% fixada pelo CMN para este ano. A meta central de inflação não é atingida no Brasil desde 2009.

O que diz o BC

Em comunicado divulgado após a reunião do Copom, o Banco Central indicou que o processo de corte da taxa básica de juros da economia continuará no futuro.

O BC informou que, no cenário com trajetórias para as taxas de juros e câmbio estimadas pelo mercado, suas projeções para a a inflação recuaram para em torno de 3,3% para 2017 e elevaram-se para aproximadamente 4,4% para 2018.

“Esse cenário supõe trajetória de juros que encerra 2017 em 7,25%, cai para 7,0% no início de 2018 e eleva-se para 7,5% ao final do ano [que vem]”, acrescentou o Copom. Em julho, o Banco Central estimava que a trajetória de juros que poderia alcançar 8% ao ano no fim de 2017.

O Copom avaliou, porém, que pode reduzir o ritmo de corte dos juros no próximo encontro do Copom, marcado para 24 e 25 de outubro.

“Para a próxima reunião, caso o cenário básico evolua conforme esperado, e em razão do estágio do ciclo de flexibilização, o Comitê vê, neste momento, como adequada uma redução moderada na magnitude de flexibilização monetária [ritmo de corte dos juros]”, informou.

Acrescentou que o processo de redução dos juros “continuará dependendo da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos, de possíveis reavaliações da estimativa da extensão do ciclo e das projeções e expectativas de inflação”.

Juros reais e crescimento econômico

Com a redução de juros promovida pelo Copom nesta quarta-feira, o Brasil permaneceu no terceiro lugar no ranking mundial de juros reais (calculados com abatimento da inflação prevista para os próximos 12 meses), compilado pelo MoneYou e pela Infinity Asset Management.

Com os juros básicos em 8,25% ao ano, a taxa real do Brasil soma 3,29% ao ano, atrás da Rússia, com juros reais de 4,32% ao ano, e da Turquia (4,02%). Nas 40 economias pesquisadas, a taxa média está negativa em 0,24% ao ano.

Recentemente, o presidente do BC, Ilan Goldfajn, observou os juros reais brasileiros, mesmo antes desse último corte da taxa Selic, já estavam em um patamar que “tende a estimular a economia”.

Em agosto, o IBGE informou que o Produto Interno Bruto (PIB) subiu 0,2% no segundo trimestre, frente aos três primeiros meses deste ano. Para analistas, o resultado mostra que há sinais de uma recuperação consistente da economia.

Planalto repercute

Após a decisão do Copom, o porta-voz da Presidência, Alexandre Parola, afirmou que o presidente Michel Temer recebeu nesta quarta uma série de notícias que confirma o “bom momento da economia brasileira.

“O controle da inflação com base em políticas fiscais responsáveis executadas pelo governo do presidente Michel Temer tem permitido a redução constante e sustentável dos juros no país”, disse Parola.

O porta-voz também destacou o IPCA de agosto em relação a julho, que foi de 0,19%, e a aprovação no Congresso Nacional da nova taxa de juros do BNDES, a Taxa de Longo Prazo (TLP), e da revisão da meta fiscal, que poderá ter um déficit de até R$ 159 bilhões em 2017 e 2018.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *