No Dia do Sexo, G1 entra na maior fábrica de produtos eróticos e sensuais da América Latina

Estado de SP é maior produtor e consumidor no ramo. Produtos para públicos específicos, como terceira idade e gospel, ganham mercado.


Na prateleira do hall de entrada, cosméticos com múltiplas funções – que prometem massagens estimulantes, mais potência sexual, sensações variadas e até estreitar o canal vaginal para ter a sensação de virgindade -, além, claro, de próteses e vibradores dos mais discretos aos mais ousados. A maior fábrica de produtos eróticos e sensuais da América Latina – segundo a associação brasileira do setor – lidera o mercado que comercializou 9,5 milhões de itens por mês em 2016, e investe em inovações para turbinar relacionamentos amorosos com foco em terceira idade e público gospel, por exemplo.

Nesta quarta-feira (6) é comemorado o Dia do Sexo. O G1 visitou a fábrica, localizada em Indaiatuba (SP), que produz 800 mil unidades por mês, tem 450 variedades de acessórios e cosméticos, e desenvolve desde a ideia até a embalagem dos artigos – passando por próteses artesanais – em uma área total de 5,8 mil metros quadrados.

Veja como funciona a maior fábrica de produtos eróticos e sensuais da América Latina

Veja como funciona a maior fábrica de produtos eróticos e sensuais da América Latina

A empresa está no mercado brasileiro há 15 anos e só não está presente nos estados Tocantins, Espírito Santo, Acre e Amapá. Também exporta para Colômbia, Argentina, Espanha e Estados Unidos, e mira o público de Israel, Chile, Portugal e Itália. [Veja como funciona a fábrica, no vídeoacima]

“Teve uma quebra de tabu muito grande. [O produto] agrega, melhora o sexo. O casal é o maior consumidor, a maior parte é o hétero, 70%”, afirma o diretor comercial da empresa, Lucas Garcia Bertipaglia.

Qual o seu perfil de consumo de produtos eróticos?

Segundo Paula Aguiar, presidente da Associação Brasileira de Empresas do Mercado Erótico (Abeme), o setor teve um crescimento no Brasil de 3,5% no ano passado, em relação a 2015. O estado de São Paulo se destaca com o maior mercado, concentrando 33% das vendas do país, e a região de Campinas (SP) é o segundo maior consumidor do estado.

Vendas do mercado erótico pelo Brasil

São Paulo 33%
Rio de Janeiro 16%
Minas Gerais 11%
Paraná 6%
Rio Grande do Sul 6%
Goiás 5%

Paula atribui a boa fase às inovações, que contemplam de pessoas acima dos 60 anos até o público gospel, com direito a apresentação dos produtos em grupos do público-alvo, incluindo até as igrejas.

“Esse crescimento é, grande parte, pelo trabalho dos empresários que estão saindo de dentros das sex shops e estão indo buscar os consumidores em outros ambientes”, diz.

Ela estima que cerca de 85% da população brasileira nunca tenha experimentado um artigo erótico, ou seja, ainda há muito a ser explorado. Com a mudança no conceito nos últimos tempos, muitas sex shops oferecem, além dos produtos, serviços como cursos de prevenção a DSTs, de pompuarismo (técnica que contrai os músculos pélvicos), empoderamento feminino, e sex coach.

“Apenas 1% do vendido no país é material pornográfico”, ressalta.

Linha de cosméticos com foco em saúde e prazer para terceira idade, desenvolvida em Indaiatuba (Foto: Patrícia Teixeira / G1)Linha de cosméticos com foco em saúde e prazer para terceira idade, desenvolvida em Indaiatuba (Foto: Patrícia Teixeira / G1)

Linha de cosméticos com foco em saúde e prazer para terceira idade, desenvolvida em Indaiatuba (Foto: Patrícia Teixeira / G1)

Sexo e saúde para maiores de 60

A aposta no público da terceira idade – ou melhor idade – ocorreu após o estudo das necessidades de homens e mulheres acima dos 60 anos, e garantiu o desenvolvimento de tecnologia específica pela empresa de Indaiatuba. É a primeira linha para esse nicho, segundo a Abeme. O investimento nesses usuários aumentou o faturamento em 30%, segundo o diretor comercial da empresa.

“A gente fez a embalagem mais clean e mais fácil de ler. Você indica que a embalagem é diferente para aquele público, com letra maior. Eles querem uma embalagem mais fácil de abrir. A tampinha é de girar e para apertar é como se fosse um conta-gotas.”, explica Bertipaglia.

Entre os cosméticos comercializados para esse público estão: óleo excitante para mulheres (para aumentar a libido pós menopausa), estimulador de ereção para os homens (que tendem a ter mais dificuldade nessa idade) e lubrificante de alta intensidade (a lubrificação diminui muito nessa faixa etária). O lançamento desses produtos, que chegam ao consumidor por até R$ 22, surpreendeu o diretor comercial.

“A gente fez um lote mínimo [15 mil unidades] e, em menos de uma semana, acabou. As lojas aceitaram muito bem e a reposição foi muito rápida. Hoje a linha melhor idade vende muito no Brasil. Foi muito bem aceito e a gente quer ver se até o ano que vem lança mais algum produto. O nosso lote hoje é o dobro”, conta.

Vibrador desenvolvido com suporte de fisioterapeuta ajuda no tratamento de problemas de saúde em idosos (Foto: Letícia Saga / G1)Vibrador desenvolvido com suporte de fisioterapeuta ajuda no tratamento de problemas de saúde em idosos (Foto: Letícia Saga / G1)

Vibrador desenvolvido com suporte de fisioterapeuta ajuda no tratamento de problemas de saúde em idosos (Foto: Letícia Saga / G1)

A linha saudável de acessórios foi desenvolvida com o suporte de uma fisioterapeuta. Um deles é um vibrador com diversas opções de ponteiras direcionadas para tratar, por exemplo, incontinências urinária e fecal, prisão de ventre e problemas sexuais enquanto é usado na relação. Também há bolinhas para exercitar a musculatura pélvica e uma bolsa térmica em formato anatômico para relaxamento muscular.

“Isso faz com que esse público seja atendido. Muitos grupos da terceira idade começaram a debater a sua sexualidade e consumir produtos eróticos”, afirma a presidente da Abeme.

A terceira idade também consome os demais artigos, bolinhas que explodem no canal vaginal e vibradores comuns. O mais procurado da fábrica, entre todos os públicos, é uma solução para estreitar o canal vaginal, uma “viagem à virgindade”, que também é experimentada pelas maiores de 60.

Também há opções para melhorar a autoestima por outros aspectos, como cápsulas de vitamina que fortalecem cabelo e unhas.

Recepção da fábrica Hot Flowers, em Indaiatuba (Foto: Patrícia Teixeira / G1)Recepção da fábrica Hot Flowers, em Indaiatuba (Foto: Patrícia Teixeira / G1)

Recepção da fábrica Hot Flowers, em Indaiatuba (Foto: Patrícia Teixeira / G1)

Público evangélico em alta

O público gospel também tem representação entre as inovações do mercado nacional. Segundo a presidente da Abeme, atualmente há o trabalho de coach de relacionamentos, além de grupos de redes sociais, que permitem que os produtos eróticos e sensuais sejam disseminados com mais facilidade. Não se restringem às sex shops e o método acaba combatendo o preconceito.

“Foi uma forma da gente entrar nessa nova modalidade de identificar o consumidor onde ele está. O evangélico não entraria nas lojas, mas as vendas acontecem nas igrejas através de consultoras, em lojas comuns de lingeries, em sex shops também”, explica.

Paula Aguiar lembra que, ao debater a questão do respeito, o mercado começou a entender quais itens sensuais que estão dentro das crenças evangélicas. “Não impor a eles as nossas questões, mas, sim, acolher as questões deles”, completa.

Produção da linha cosmética sensual na fábrica e Indaiatuba (Foto: Patrícia Teixeira / G1)Produção da linha cosmética sensual na fábrica e Indaiatuba (Foto: Patrícia Teixeira / G1)

Produção da linha cosmética sensual na fábrica e Indaiatuba (Foto: Patrícia Teixeira / G1)

Na fábrica esse é um público ainda em estudo para o desenvolvimento de produtos específicos, mas os evangélicos já consomem alguns itens do “cardápio”. O caminho, segundo o diretor comercial, é ter mulheres falando para mulheres.

“A empresa tem uma coach que levanta informações sobre essa tendência e faz reuniões em igrejas, leva os produtos para apresentar para esse público. Tem que usar sempre o bom senso na hora de vender o produto sensual, de falar do produto sensual”, acredita.

Ele incentiva, ainda, o uso de preservativos, e garante que não compromete o desempenho dos produtos.

“O sexo tem que ser melhor para mulher do que para o homem. Porque para o homem é muito mais fácil, ele vai sempre chegar [ao orgasmo]. Pra mulher não. Então, o homem com a camisinha está protegendo ele e a mulher, e a mulher é estimulada pelo produto”, diz.

Lucas Bertipaglia, diretor comercial da empresa (Foto: Patrícia Teixeira / G1)Lucas Bertipaglia, diretor comercial da empresa (Foto: Patrícia Teixeira / G1)

Lucas Bertipaglia, diretor comercial da empresa (Foto: Patrícia Teixeira / G1)

Nanotecnologia pode turbinar

Os planos da empresa também giram em torno de como a nanotecnologia pode melhorar os resultados dos produtos para estreitar o canal vaginal, por exemplo. As análises partem dos efeitos que cosméticos para rugas têm sobre a pele, e animam o diretor da fábrica.

“Se no rosto em minutos ele contrai as rugas e o rosto fica liso, eu fico imaginando usar esse produto num [artigo] sensual. Na parte íntima é muito mais rápido o estímulo”, conta Bertipaglia.

Ele ressalta que todos os produtos precisam ter o aval da Anvisa para serem comercializados.

Nereide Oliveira é funcionária da fábrica de produtos eróticos há dez anos e participa de alguns testes (Foto: Patrícia Teixeira / G1)Nereide Oliveira é funcionária da fábrica de produtos eróticos há dez anos e participa de alguns testes (Foto: Patrícia Teixeira / G1)

Nereide Oliveira é funcionária da fábrica de produtos eróticos há dez anos e participa de alguns testes (Foto: Patrícia Teixeira / G1)

Testado e aprovado

Quem se pergunta sobre como são feitos os testes de eficiência dos artigos fabricados em Indaiatuba, Lucas Bertipaglia responde que são… Eles mesmos! Sim, os funcionários da empresa, voluntariamente, são as pessoas a darem as primeiras impressões. Após, é claro, a conclusão dos testes em laboratório.

“Se não for bom pra gente, lá fora também não vai ser aceito. Tem alguns lançamentos que a gente passa para os funcionários e cada um dá uma opinião. Para um foi muito forte, ou muito fraco. Uns têm mais sensibilidade e outros não. Não é nada obrigado, mas as pessoas têm interesse”, conta.

Segundo ele, as mulheres casadas são maioria entre os 125 empregados. A líder de produção de cosméticos e embalagens Nereide Oliveira tem dez anos de empresa e já testou alguns itens, como uma vela com cera de abelha que vira um óleo e não queima no contato com a pele.

“O cheirinho é muito agradável e permite uma massagem prazerosa. Usei, gostei, aprovo e recomendo”, relata.

O diretor ressalta que a maior parte dos produtos não é dose única. Diz também que as pessoas devem seguir as orientações sobre o uso de cada um, inclusive sobre combinar, ou não, com outros produtos para evitar reações indesejáveis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *